Google+ Followers

Pesquisar este blog

terça-feira, 31 de março de 2015

Apoio à Vítima Europa Newsletter # 1 2015)

VSE NEWSLETTER # 1 2015 - 31 de março de 2015
Baixe o Boletim AQUI

Do editor


Este ano marca tanto Victim Support Europe e da Associação de Português para de Apoio à Vítima (APAV) 25º aniversário e estamos, portanto, particularmente ansioso para uma emocionanteConferência Anual e AGM, 13-15 de Maio, em Lisboa. O foco da conferência será sobre a directiva da UE sobre os direitos das vítimas, que precisa ser implementada até 15 de Novembro. Esperamos ver todos vocês em Lisboa para este importante evento!

Neste boletim você vai encontrar muitos relatos interessantes de nossos membros nacionais, mas também uma grande quantidade de informações sobre os projectos em curso. Muito obrigado a todos os membros que nos enviaram sua contribuição!

Olhando para a frente para vê-lo em Lisboa,

Helgard van Hüllen
Vice-presidente de Victim Support Europe

EVOLUÇÃO E ATIVIDADES RECENTES


Levent Altan, VSE recém-nomeado Diretor Executivo


Estamos muito satisfeitos em anunciar que Levent Altan foi nomeado como Diretor Executivo do Victim Support Europe desde 24 de novembro de 2014.

Antes de ingressar na Victim Support Europe, trabalhou como Assessor Jurídico Principal em Milieu Ltd, uma empresa de consultoria multidisciplinar, especializada na prestação de serviços jurídicos e políticos para clientes do setor público.

De 2009 a 2012, ele era Criminal Justice Legislativa oficial da Comissão Europeia, onde foi responsável pelos direitos das vítimas. Durante esse tempo, ele estava em particular responsável pela elaboração e negociação da directiva comunitária que estabelece normas mínimas relativas aos direitos, ao apoio e protecção das vítimas de crime. Ele também trabalhou na Comissão Europeia a partir de 2003-2005 em uma ampla gama de questões de justiça criminal.

Levent vinha trabalhando há vários anos como funcionário do Ministério da Justiça, Cabinet Office e Home Office do Reino Unido antes de ser destacado como um perito nacional para a Comissão Europeia.
"É um momento emocionante para se juntar a VSE como estamos planejando para oferecer mais e melhores serviços para os nossos membros e para aumentar o impacto ea eficácia das acções VSE ao longo dos próximos três anos. A capacitação, colaboração transfronteiriça, da formação e do desenvolvimento de um sistema de acreditação de organizações de apoio às vítimas pertencem a nossos objetivos centrais para 2015-2017. Há muito a fazer, mas estou confiante de que com uma equipe forte, um Conselho comprometido e com claro de toda a ajuda de nossos membros, nós seremos capazes de entregar muito já em 2015. Estou feliz e orgulhoso de fazer parte de tal uma organização dinâmica e importante! "Levent

VSE agora no Twitter e no YouTube


Agora é possível acompanhar Victim Support Europe no Twitter (VictimSupportEu) e no nosso YouTubecanal onde estamos a recolher informações úteis sobre questões relacionadas com as vítimas, bem como eventos divulgando. 

Declaração VSE no Dia Europeu das Vítimas do terrorismo: Lembre-se, Apoio, Act


Em 11 de março, VSE divulgou um comunicado no 11° Dia Europeu da Memória das Vítimas do Terrorismo.

Por favor, leia a declaração aqui . 

Todas as vítimas reconheceram, nenhuma vítima esquecida: Declaração conjunta para o Dia Europeu das Vítimas de Crime, 22 de fevereiro de 2015


VSE coordenou uma declaração conjunta com 30 organizações nacionais e internacionais para o Dia Europeu para vítimas de crime, em 22 de fevereiro. Por favor, leia a declaração conjunta aqui .

Nesta ocasião VSE também colocar os holofotes sobre grupos específicos de vítimas e forneceu informações curto e declarações sobre esses grupos em colaboração com uma série de organizações da UE que trabalham com grupos específicos que podem enfrentar determinadas formas de vitimização e que muitas vezes têm necessidades específicas na sequência de um crime . Por favor, leia mais aqui . 

VSE declaração sobre os atentados terroristas em Paris


Em 07 de janeiro de 2015 Victim Support Europe divulgou um comunicado condenando veementemente os ataques terroristas terríveis que tiveram lugar em Paris.

Por favor, leia o Inglês versões francesa e a declaração aqui .

VSE fala direitos das vítimas com a BBC Radio Oxford


Com a Directiva da UE sobre os direitos, apoio e protecção das vítimas de crime que entrarão em vigor no final deste ano, BBC Radio Oxford entrevistou o diretor executivo do Victim Support Europe, Levent Altan em 2 de Janeiro de 2015, sobre os problemas enfrentados pelas vítimas e as mudanças que o novo legislação trará.

A entrevista completa pode ser ouvida aqui .

Workshop sobre vítimas 'avaliação das necessidades


Em 5 de dezembro VSE em colaboração com a sua organização membro INAVEM organizou um seminário em Paris para fornecer informações práticas e sugestões aos representantes nacionais de apoio à vítima sobre como implementar o artigo 22.º da Directiva da UE 2012/29 / UE. Esta foi a oportunidade de apresentar projectos europeus sobre a avaliação das necessidades das vítimas e para discutir o que a ferramenta de avaliação de necessidades traz para as vítimas e os grupos de apoio às vítimas.
Os participantes também aprenderam sobre o processo da directiva em França, graças à participação de representantes do Ministério da Justiça francês e do Ministério do Interior implementação. Membros VSE de Áustria, Croácia, Malta, Países Baixos, Polónia, Portugal e Inglaterra e País de Gales foram representados.

Nossos membros são capazes de consultar o programa e as apresentações feitas na oficina na intranet do site VSE. Faça login pela primeira vez em e insira o seguinte link no seu navegador:http://victimsupporteurope.eu/intranet/workshop-needs-assessment/

Seminário sobre direitos processuais


Em 19/21 de Novembro VSE arranjado para os seus membros uma visita de estudo sobre os direitos processuais para Slachtofferhulp Nederland em Utrecht, permitindo que as organizações de apoio às vítimas de aprender Slachtofferhulp opera com um foco particular em apoio às vítimas de acesso aos seus direitos processuais.
Entre os oradores representantes do Ministério da Justiça holandês. Membros VSE de Portugal, Bélgica, Dinamarca e Espanha estiveram representados.

Nossos membros são capazes de consultar o programa e as apresentações feitas na oficina na intranet do site VSE. Faça login pela primeira vez em e insira o seguinte link no seu navegador:
http://victimsupporteurope.eu/intranet/seminar-on-procedural-rights/ 

Consciência VSE Evento Raising no PE


Em 18 de novembro de 2014 Victim Support Europe organizou uma conferência "Vítimas de Crime para além de 2015", no Parlamento Europeu, em Bruxelas.
O evento foi organizado por Ana Gomes, MEP. Entre os oradores Claude Moreas, MEP, Presidente da Comissão LIBE, Iratxe García Pérez, MEP, Presidente da Comissão FEMM, Olivier Tell, Chefe da Unidade "direito processual penal" (DG Justiça, CE), Olimpia Monaco, Representante do italiano Presidência da UE e Inga Melnace, Representante da próxima letão Presidência da UE.

Por favor, encontrar mais informações aqui .

NOTÍCIAS DE NOSSOS MEMBROS


Áustria

Weisser Anel
Por ocasião do Dia Europeu das Vítimas de CrimeWEISSER ANEL Áustria realizou uma série de eventos. Pela quinta vez o Ministério do Interior e WEISSER ANEL Áustria organizou uma conferência em 20 de fevereiro de 2015, em Viena. O foco era sobre os jovens e seu ponto de vista sobre a violência no espaço público e as conseqüências.

Udo Jesionek, chefe da WEISSER ANEL Österreich destacou a importância do Dia Europeu das Vítimas de Crime. Ministro da Justiça Wolfgang Brandstetter, Ministro do Assuntos Sociais Rudolf HUNDSTORFER, Ministro da Educação e Assuntos das Mulheres Gabriele Heinisch-Hosek, Ministro das Relações Familiares e Juventude Sophie Karmasin apresentaram seus projetos em juvenis.

Em preparação para a equipe Weisser Ring conferência realizada palestras em salas de aula e desenvolveu idéias sobre esse tema, em colaboração com os alunos e estudantes. O resultado do workshop foi que os alunos que a palavra "vítima" é um palavrão, sentem-se desamparados e impotentes. Os resultados foram apresentados na conferência, que foi moderado por dois alunos.

O tema foi por profissionais multidisciplinares de o Provedor de Justiça para crianças e jovens, de apoio para homens Viena, o departamento de prevenção de Polícia e WEISSER ANEL peer-reviewed.

República Checa

Bily Kruh Bezpeci
Bily kruh bezpeci (BKB) apresentou a nova linha de apoio nacional 116.006 para as vítimas de crime em uma conferência de imprensa em 20 de fevereiro de 2015.

Bily kruh bezpeci é a  vítima organização de suporte operacional o número de telefone europeu para vítimas de crime na UE. A linha de apoio é gratuito para todos os chamadores e opera 24/7.

A campanha nacional de promoção 116006 linha de apoio às vítimas de crime começou a 17 de fevereiro de 2015 (pontos de TV / rádio / internet, outdoors, publicidade em revistas e jornais). Atualmente BKB está a organizar mesas redondas e seminários para ajudar os profissionais de todo o país.

Por favor, encontrar mais informações aqui .

Croácia

Vítima croata e Serviço de Apoio Witness
Vítima e Testemunha Service Support Croácia está atualmente focado em informar os cidadãos da Croácia sobre os serviços da linha de suporte de apoio à vítima com um número europeu normalizado livre 116-006 chamado Call Center Nacional de Vítimas de Crimes e Pecados. Ao estabelecer um livre 116-006 linha de apoio nos primeiros dias da adesão da Croácia à UE em julho de 2013, a Croácia tornou-se o quinto membro da família europeia 116-006, que conta hoje com sete membros (Alemanha, Irlanda, Áustria, Holanda, Croácia, Dinamarca e República Checa).

O Call Center Nacional de Vítimas de Crimes e Pecados tem, desde a sua abertura em julho de 2013, recebeu mais de 3000 chamadas de vítimas, testemunhas e familiares das vítimas. O apoio foi fornecida por 90 voluntários treinados que generosamente doam seu tempo, conhecimento e esforço para vítimas e testemunhas sem qualquer compensação.

Estamos trabalhando continuamente com nossos voluntários de socorro na melhoria da qualidade do serviço que prestamos às vítimas e testemunhas e vamos continuar com a educação voluntário intensiva nos meses seguintes.

Croácia

Bijeli Krug Hrvatske (White Circle Croácia)
A associação White Circle Croácia continua a campanha de conscientização pública que começou no Dia Europeu das Vítimas de Crime (22 de fevereiro de 2015), com mesas-redondas sobre os direitos das vítimas.

O "Guia para as vítimas de violência" brochura foi apresentada em uma das mesas redondas. Ele mostra o processo do procedimento criminal, promove os direitos das vítimas e as formas de realização dos seus direitos.

White Circle Croácia também anunciou um aplicativo do Facebook "Relatar a violência!" e a criação de um grupo de apoio on-line em fóruns da web de associação White Circle Croácia. 

Dinamarca

Offerraadgivningen
Victim Support Dinamarca expande

Victim Support Dinamarca recebeu 10 milhões de coroas dinamarquesas (cerca de 1,4 euros) extra para os próximos três anos, a partir do Fundo Vítima dinamarquês.

O dinheiro será usado para treinar 300 consultores voluntários, para educar os novos mentores especiais para as vítimas e para aumentar a visibilidade do Victim Support Dinamarca.

Victim Support Dinamarca foi fundada em 1997 e oferece ajuda para as vítimas que precisam de informação e aconselhamento sobre, por exemplo, como encontrar ajuda profissional e como obter compensação. A principal tarefa dos conselheiros é no entanto a ouvir quando houver necessidade.

Por isso, agora vai em breve ser possível obter um mentor, que pode seguir a vítima estreitamente na corporação com um conselheiro. O programa Mentor será o primeiro de seu tipo na Europa. 25 Mentores vai começar a sua formação neste mês. Os mentores treinados estará operando a partir de  de junho. Eles todos foram selecionados a partir da organização onde eles já estavam trabalhando como voluntários.

O objectivo para Victim Support Dinamarca é treinar e atribuir até três mentores de cada Apoio à Vítima em 12 áreas Polícia.

O secretariado do Victim Support Dinamarca tem atualmente quatro funcionários em tempo integral: 1 gerente de projeto para a educação de novos conselheiros, um gerente de projeto para a educação Mentor e dois secretários. 

Finlândia

Rikosuhripaivystys Suomessa
Nova lei sobre taxa de vítima

Em março de 2015, o Parlamento finlandês aprovou uma lei que vai introduzir um sistema de taxas vítima na Finlândia. Os infratores terão que pagar uma taxa de 40 até 80 euros para os crimes em que a pena máxima é de prisão. A lei entrará em vigor em 2016, mas devido a IT-sistema altera o sistema de taxas vai realmente ser executado mais tarde durante o ano. De acordo com a lei, os recursos captados com a taxa será atribuída aos serviços de apoio às vítimas da criminalidade. Espera-se que a partir de 2016 também Victim Support Finlândia receberá financiamento das taxas cobradas, mas isso ainda não foi confirmado.

Convenção de Istambul ratificado

O Parlamento finlandês ratificou a Convenção de Istambul, em Março de 2015. Isto terá impactos concretos sobre o sistema de apoio às vítimas de violência contra as mulheres e violência doméstica. Por exemplo, a Convenção exige que uma linha de apoio 24/7 é estabelecido para este grupo-alvo. ONGs que trabalham com estas vítimas, incluindo Victim Support Finlândia, uniram forças, a fim de estabelecer a nova linha de apoio em 2016.

Dois relatórios sobre a aplicação da directiva da UE sobre os direitos das vítimas

Em março-abril de duas comissões governamentais vai liberar seus relatórios sobre a aplicação da directiva da UE sobre os direitos das vítimas na Finlândia. Victim Support Finlândia participou do trabalho de ambos os comitês. A primeira, que começou a trabalhar meados de 2013 focada em serviços de apoio à vítima e de boas práticas, bem como sobre os impactos da ratificação da Convenção de Istambul. A segunda comissão, que iniciou os seus trabalhos em novembro passado concentrou sobre os impactos jurídicos da directiva resultando em sugestões de várias mudanças legais. Um projeto de lei do governo propondo essas mudanças legais é esperado no próximo Outono.

Victim Support Finlândia desenvolver o seu trabalho sobre o tráfico

VS Finlândia iniciou recentemente um programa de 3 anos, a fim de desenvolver o papel das organizações de apoio às vítimas finlandesas e outras ONGs para ajudar as vítimas de tráfico humano. VS Finlândia já tem experiência em trabalhar com vítimas de tráfico. O desafio é que essas vítimas da criminalidade, muitas vezes têm problemas mais complexos para lidar com o medo e entrar em processo penal. Também questões como controle de migração a sua situação difícil. Um coordenador tem sido empregado para implementar este programa, que é financiado pelo entalhe da Finlândia Associação Machine.

Alemanha

Weisser Anel


Direitos reforma ato  vítimas '

A fim de transpor a directiva 2012/29 / UE, que estabelece normas mínimas relativas aos direitos, ao apoio e protecção das vítimas de crime que o governo federal alemão introduziu uma terceira direitos projectos das vítimas reforma ato a ser submetida ao processo legislativo.

O projecto de lei contém muitas melhorias, por exemplo, uma nova disposição de transposição requisitos de informação e regras relativas aos serviços de interpretação. Ao mesmo tempo, novas regras estão previstas para introduzir um processo de apoio psico-social em lei.

O projecto de lei não contém nenhuma regulamentação sobre os serviços de apoio à vítima, pois esta é a responsabilidade do "Länder", os 16 estados constituintes.

Alemã Dia de Vítimas de Crime

Por ocasião do Dia alemão de Vítimas de Crimes (22 de março) WEISSER ANEL destacou a importância de alargar o âmbito de aplicação da lei de compensação às vítimas da criminalidade na Alemanha.

Roswitha Müller-Piepenkötter (ex-Ministro de Estado e WEISSER ANEL presidente) pediu ao Governo para alargar o âmbito do direito das vítimas da criminalidade compensação aos casos de violência psicológica e perseguição.

Para aumentar a conscientização sobre a vítimas de crimes compensação WEISSER lei ANEL está organizando seminários para seus voluntários. Em 2016 mais de 200 voluntários foram treinados. 

Hungria

Fehér Gyűrű Közhasznú - White Anel Hungria


Em 12 de Dezembro de 2014, o vice-presidente VSE Helgard van Hüllen ficou encantada ao assistir e falar em uma exposição e conferência de aniversário fotoorganizado pelo Anel Branco Hungria em Budapeste por ocasião do seu 25 ° aniversário.

VSE gostaria de felicitar calorosamente Branco Anel Hungria pelo seu árduo trabalho de apoio às vítimas de crime nos últimos 25 anos! 

Irlanda

Advic - Os advogados para vítimas de homicídio


Encontro com o ministro irlandês da Justiça, Igualdade e direito

Nenhum comentário:

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

Sugestões: Livros e Revistas

  • AGUIAR, Geraldo Mario de. Sequestro Relâmpago. Curitiba: Protexto, 2008.
  • ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Sistema Penal Máximo x Cidadania Mínima: códigos da violência na era da globalização. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.
  • ANDRADE. Pedro Ivo. Crimes Contra as Relações de Consumo - Art. 7º da Lei 8.137/90. Curitiba: Juruá, 2006.
  • ANITUA, Gabriel Ignácio. História dos Pensamentos Criminológicos. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2008. Coleção Pensamento Criminológico n. 15.
  • ARAÚJO, Fábio Roque e ALVES, Leonardo Barreto Moreira (coord.). O Projeto do Novo Código de Processo Penal. Salvador: Juspodivm, 2012. 662p.
  • AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli de; CARVALHO, Salo de. A Crise do Processo Penal e as Novas Formas de Administração da Justiça Criminal. Porto Alegre: Notadez, 2006.
  • BAKER, Mark W. Jesus, o Maior Psicólogo que Já Existiu. São Paulo: Sextante, 2005.
  • BARATA, Alessandro. Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal: introdução à sociologia do direito penal. Trad. e pref. Juarez Cirino dos Santos. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2002. ( Pensamento criminológico; 1)
  • BARBATO Jr, Roberto. Direito Informal e Criminalidade: os códigos do cárcere e do tráfico. Campinas: Millennium, 2006.
  • BARKER, Gary T. Homens na linha de fogo - juventude, masculinidade e exclusão social. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.
  • BATISTA, Vera Malagutti. Dificeis ganhos faceis. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2003. (Pensamento criminológico; 2)
  • BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
  • BRAUN, Suzana. A violência sexual infantil na família: do silêncio à revelação do segredo. Porto Alegre: AGE, 2002.
  • CARNEGIE, Dale. Como fazer amigos e influenciar pessoas. Trad. de Fernando Tude de Souza. Rev. por José Antonio Arantes de acordo com a edição americana de 1981 aumentada por Dorothy Carnegie. 51. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2003.
  • CARVALHO, Salo de. A Política Criminal de Drogas no Brasil (Estudo Criminológico e Dogmático). 4. ed. ampl. e atual. e com comentários à Lei 11.343/06. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • CARVALHO, Salo de. Anti Manual de Criminologia. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.
  • CARVALHO, Salo de. Crítica à Execução Penal - 2. ed. rev., ampl. e atual. de acordo com a Lei nº 10.792/2003. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • CASTRO, Lola Aniyar de. Criminologia da Libertação. Trad. Sylvia Moretzsohn. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2005. (Pensamento criminológica; v. 10)
  • CERVINI, Raul. Os processos de descriminalização. 2. ed. rev. da tradução. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.
  • CHARAM, Isaac. O estupro e o assédio sexual: como não ser a próxima vítima. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Ventos, 1997.
  • COSTA, Yasmin Maria Rodrigues Madeira da. O Significado ideológico do sistema punitivo brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 2005.
  • D'AVILA, Fabio Roberto; SOUZA, Paulo Vinicius Sporleder de. Direito Penal Secundário: Estudos sobre Crimes Econômicos, Ambientais, Informática. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.
  • D'ELIA FILHO. Orlando Zaccone. Acionistas do Nada: quem são os traficantes de droga. Rio de Janeiro: Revan, 2007.
  • DA ROSA, Alexandre Morais. Guia Compacto de Processo Penal conforme a Teoria dos Jogos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.
  • DA SILVA, Edimar Carmo; URANI, Marcelo Fernandez. Manual de Direito Processual Penal Acusatório. Curitiba: Juruá, 2013.
  • DE GIORGI, Alessandro. A miséria governada através do sistema penal. Rio de Janeiro: ICC/Revan, 2006. Coleção Criminológica n. 12.
  • DIMOULIS, Dimitri. Manual de Introdução ao Estudo do Direito. 2. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • DIMOULIS, Dimitri. O caso dos denunciantes invejosos: introdução prática às relações entre direito, moral e justiça. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.
  • DOUGLAS, William. Como falar bem em público/ William Douglas, Ana Lúcia Spina, Rogério Sanches Cunha. São Paulo: Ediouro, 2008.
  • FERNANDES, Antonio Scarance. Processo Penal Constitucional. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.
  • FERNANDES, Antonio Scarance. Processo Penal Constitucional. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.
  • FERREIRA, Francisco Amado. Justiça Restaurativa: Natureza. Finalidades e Instrumentos. Coimbra: Coimbra, 2006.
  • FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. 33. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.
  • FRANCO, Alberto Silva. Crimes Hediondos. 6. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • FREIRE, Christiane Russomano. A violência do sistema penitenciário brasileiro contemporâneo: o caso RDD ( regime disciplinar diferenciado). São Paulo: IBCCRIM, 2005 (Monografias / IBCCRIM; 35)
  • GERBER, Daniel; DORNELLES, Marcelo Lemos. Juizados Especiais Criminais Lei n.º 9.099/95: comentários e críticas ao modelo consensual penal. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.
  • GIORGI, Alessandro De. A miséria governada através do sistema penal. Trad. Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2006 (Pensamento criminológico; v. 12)
  • GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Trad. Dante Moreira Leite. São Paulo: Perspectiva, 2007. (Debate; 91/ Dirigida por J. Guinsburg)
  • GOMES, Rodrigo Carneiro. Crime Organizado na visão da Convenção de Palermo. Belo Horizonte/MG: Del Rey, 2008.
  • GRISHAM ,John. O advogado. Trad. de Aulyde Soares Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
  • JAKOBS, Günther; MELIÁ, Manuel Cancio. Direito Penal do inimigo: noções e críticas. org. e trad. André Luís Callegari, Nereu José Giacomolli. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.
  • JUNIOR, Heitor Piedade et al. Vitimologia em debate II. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 1997.
  • JUNIOR, Heitor Piedade. Vitimologia: evolução no tempo e no espaço. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1993.
  • KALIL, Gloria. Alô, Chics ! - Etiqueta Contemporânea. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.
  • KARAM. Maria Lúcia. Juizados Especiais Criminais: a concretização antecipada do poder de punir. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.
  • KHADY. Mutilada. Khady com a colaboração de Marie-Thérère Cuny. Trad. de Rejane Janowitzer. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.
  • KONZEN, Afonso Armando. Justiça Restaurativa e Ato Infracional: Desvelando Sentidos no Itinerário da Alteridade. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.
  • KOSOVSKI, Ester (org.); JUNIOR, Heitor Piedade (org.).Vitimologia e direitos humanos.Rio de Janeiro:Reproart,2005
  • KOSOVSKI, Ester: PIEDADE JR, Heitor (org.). Temas de Vitimologia II. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2001.
  • KOSOVSKI, Ester; SÉGUIN, Elida (coord.). Temas de Vitimologia. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2000
  • LOPES JÚNIOR, Aury. Direito Processual Penal. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
  • MARTIN, Luís Gracia. O Horizonte do Finalismo e o Direito Penal do Inimigo. Trad. Érika Mendes de Carvalho e Luiz Regis Prado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • MAZZILLI NETO, Ranieri. Os caminhos do Sistema Penal. Rio de Janeiro: Revan, 2007.
  • MAÍLLO. Alfonso Serrano. Introdução à Criminologia. Trad. Luiz Regis Prado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • MELOSSI, Dario; PAVARINI, Massimo. Cárcere e fábrica: as origens do sistema penitenciário (séculos XVI - XIX). Trad. Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2006. (Pensamento criminológico; v. 11).
  • MENDRONI, Marcelo Batlouni. Crime de lavagem de dinheiro. São Paulo: Atlas, 2006.
  • MENDRONI, Marcelo Batlouni. Crime Organizado - Aspectos Gerais e Mecanismos Legais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2007.
  • MEROLLI, Guilherme. Fundamentos Críticos de Direito Penal - Curso Ministrado na Cadeira de Direito Penal I da UFSC. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.
  • MESTIERI, Jõao. Manual de Direito Penal. 1. ed., 2. tiragem. Rio de Janeiro: Forense, 2002. v. I.
  • MOLINA, Antonio Garcia-Pablos de; GOMES, Luiz Flávio. Criminologia. Org. Rogério Sanches Cunha. 6. ed. ref., atual e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • MULLER, Jean Marie. Não-violência na educação. Trad. de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Atenas, 2006.
  • NEPOMOCENO, Alessandro. Além da Lei - a face obscura da sentença penal. Rio de Janeiro: Revan, 2004.
  • NEVES, Eduardo Viana Portela. Criminologia para concursos públicos. Salvador: Juspodivm, 2013.
  • NUCCI, Guilherme de Souza. Código de Processo Penal Comentado. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • NUCCI, Guilherme de Souza. Leis Penais e Processuais Penais Comentadas. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • NUCCI, Guilherme de Souza; NUCCI, Naila Cristina Ferreira. Prática Forense Penal. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • OLIVEIRA, Ana Sofia Schmidt de. A Vítima e o Direito Penal: uma abordagem do movimento vitimológico e de seu impacto no direito penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999.
  • OLMO, Rosa. A América Latina e sua criminologia. Rio de Janeiro: ICC/Revan, 2004. Coleção Pensamento Criminológico n. 9.
  • PACELLI, Eugênio. Curso de Processo Penal. 16 ed. São Paulo: Atlas, 2012.
  • PASUKANIS, Eugeny Bronislanovich. A teoria geral do direito e o marxismo. trad., apres. e notas por Paulo Bessa. Rio de Janeiro: Renovar, 1989.
  • PEASE, Allan; PEASE, Barbara. Como conquistar as pessoas. Trad. de Márcia Oliveira. Rio de Janeiro: Sextante, 2006.
  • PEASE, Allan; PEASE, Barbara. Desvendando os segredos da linguagem corporal. Trad. Pedro Jorgensen Junior. Rio de Janeiro: Sextante, 2005.
  • POLITO, Reinaldo. Oratória para advogados e estudantes de Direito. São Paulo: Saraiva, 2008.
  • POLITO, Reinaldo. Oratória para advogados e estudantes de Direito. São Paulo: Saraiva, 2008.
  • POLITO, Reinaldo. Superdicas para falar bem: em conversas e apresentações. São Paulo: Saraiva, 2005.
  • PORTO, Roberto. Crime Organizado e Sistema Prisional. São Paulo: Atlas, 2007.
  • PRADO, Luiz Regis. Bem Jurídico-Penal e Constituição. 3. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.
  • PRADO, Luiz Regis. Comentários ao Código Penal. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • Revista Visão Jurídica - Editora Escala (www.escala.com.br)
  • RODRIGUES, Anabela Miranda. A posição jurídica do recluso na execução da pena privativa de liberdade. São Paulo: IBCCRIM, 1999 (Monografias / IBCCRIM; 11)
  • ROSA, Alexandre Morais da. Garantismo Jurídico e Controle de Constitucionalidade Material. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.
  • ROSA, Alexandre Morais da. Introdução Crítica ao Ato Infracional - Princípios e Garantias Constitucionais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • ROSA, Alexandre Morais da. Para um Processo Penal Democrático: Crítica à Metástase do Sistema de Controle Social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.
  • ROVINSKI, Sonia Liane Reichert. Dano Psíquico em Mulheres Vítima de Violência. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004.
  • RUSCHE, Georg; KIRCHHEIMER, Otto. Punição e Estrutura Social. 2. ed. Trad. Gizlene Neder. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2004. (Pensamento criminológico; 3)
  • SABADELL, Ana Lucia; DIMOULIS, Dimitri; MINHOTO, Laurino Dias. Direito Social, Regulação Econômica e Crise do Estado. Rio de Janeiro: Revan, 2006.
  • SABADELL, Ana Lúcia. Manual de Sociologia Jurídica: Introdução a uma Leitura Externa do Direito. 4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • SABADELL, Ana Lúcia. Tormenta juris permissione: Tortura e Processo Penal na Península Ibérica (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: ICC/Revan, 2006. Coleção Pensamento Criminológico n. 13.
  • SALIBA, Marcelo Gonçalves. Justiça Restaurativa e Paradigma Punitivo. Curitiba: Juruá, 2009.
  • SANCTIS, Fausto Martin de. Combate à Lavagem de Dinheiro. Teoria e Prática. Campinas/SP: Millennium, 2008.
  • SANTANA, Selma Pereira de. Justiça Restaurativa: A Reparação como Conseqüência Jurídico-Penal Autônoma do Delito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.
  • SANTOS, Juarez Cirino dos. A Criminologia Radical. 2. ed. Curitiba: Lumen Juris/ICPC, 2006.
  • SANTOS, Juarez Cirino dos. Direito Penal: parte geral. Curitiba: Lumen Juris/ICPC, 2006
  • SCURO NETO, Pedro. Sociologia Geral e Jurídica : introdução à lógica jurídica, instituições do Direito, evolução e controle social. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
  • SEBOLD, Alice. Sorte. Trad. Fernanda Abreu. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.
  • SHECAIRA, Sérgio Salomão. Criminologia. 2. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • SHECAIRA, Sérgio Salomão. Sistema de Garantias e o Direito Penal Juvenil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • SICA, Leonardo. Justiça Restaurativa e Mediação Penal - O Novo Modelo de Justiça Criminal e de Gestão do Crime. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • SLAKMON, Catherine; MACHADO, Maíra Rocha; BOTTINI, Pierpaolo Cruz (Orgs.). Novas direções na governança da justiça e da segurança. Brasília-DF: Ministério da Justiça, 2006.
  • SLAKMON, Catherine; VITTO, Renato Campos Pinto De; PINTO, Renato Sócrates Gomes (org.). Justiça Restaurativa: Coletânea de artigos. Brasília: Ministério da Justiça e PNUD, 2005.
  • SOARES, Orlando. Sexologia Forense. Rio de Janeiro: Freitas Bastas, 1990.
  • SOUZA, José Guilherme de. Vitimologia e violência nos crimes sexuais: uma abordagem interdisciplinar. Porto Alegre: Safe, 1998
  • SOUZA, Paulo Sérgio Xavier de. Individualização da Pena no Estado Democrático de Direito. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2006.
  • SPOSATO, Karyna Batista. O Direito Penal Juvenil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.
  • SQUARISI, Dad; SALVADOR, Arlete. Escrever Melhor — Guia para passar os textos a limpo. São Paulo: Contexto, 2008.
  • SUMARIVA, Paulo. Criminologia - Teoria e Prática. Niterói: Impetus, 2013.
  • SÁ, Alvino Augusto de. Criminologia Clínica e Psicologia Criminal. prefácio Carlos Vico Manãs. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • TASSE, Adel El. Criminologia. São Paulo: Saraiva, 2013. Col. Saberes do Direito, v. 58.
  • TELES, Maria Amelia de Almeida. O que são Direitos Humanos das Mulheres. São Paulo: Brasiliense, 2006.
  • TELES, Maria Amélia de Almeida; MELO, Mônica de. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2003. (Coleção primeiros passos; 314)
  • TOURINHO, José Lafaieti Barbosa. Crime de Quadrilha ou Bando de Associações Criminosas. 2. ed., rev. e atual. Curitiba: Juruá, 2008.
  • VASCONCELOS, Carlos Eduardo de. Mediação de conflitos e práticas restaurativas. São Paulo: Método, 2008.
  • VERARDO, Maria Tereza. Sexualidade violentada: as marcas de uma tentativa de destruição. São Paulo: O Nome da Rosa, 2000.
  • VEZZULLA, Juan Carlos. A Mediação de Conflitos com Adolescentes Autores de Ato Infracional. Florianópolis: Habitus, 2006.
  • VIANNA, Túlio Lima. Transparência pública, opacidade privada: o direito como instrumento de limitação do poder na sociedade de controle. Rio de Janeiro: Revan, 2007.
  • VIGARELLO, Georges. História do Estupro: violência sexual nos séculos XVI-XX. Trad. Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
  • VILHENA, Leonardo da Silva. A Preclusão para o Juiz no Processo Penal. Curitiba: Juruá, 2007.
  • WACQUANT, Loic. As duas faces do gueto. Trad. Paulo C. Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2008.
  • WACQUANT, Loic. As Prisões da Miséria. São Paulo: Jorge Zahar, 2001.
  • WACQUANT, Loic. Punir os Pobres: a nova gestão de miséria nos Estados Unidos. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: F. Bastos, 2001; Revan, 2003. (Pensamento criminológico; 6)
  • WUNDERLICH, Alexandre; CARVALHO, Salo (org.). Novos Diálogos sobre os Juizados Especiais Criminais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.
  • WUNDERLICH, Alexandre; CARVALHO, Salo de. Dialogos sobre a Justiça Dialogal: Teses e Antiteses do Processo de Informalização. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2002.
  • YOUNG, Jack. A sociedade excludente: exclusão social, criminalidade e diferença na modernidade recente. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2002. (Pensamento criminológica; 7)
  • ZAFFARONI, Eugenio Raul. Inimigo no Direito Penal. Rio de Janeiro: Revan, 2007. Coleção Pensamento Criminológico n. 14.
  • ZAFFARONI, Eugenio Raul. Manual de Direito Penal Brasileiro: Parte Especial. 2. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007. Vol. 2.
  • ZAFFARONI, Eugenio Raul; PIERANGELI, José Henrique. Manual de Direito Penal Brasileiro: Parte geral. 7. ed. rev. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007. Vol. 1.
  • ZEHR, Howard. Trocando as lentes: um novo foco sobre o crime e a justiça. Tradução de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2008.