Google+ Followers

Pesquisar este blog

quinta-feira, 5 de novembro de 2015

PRI e-newsletter October 2015:

PRI e-newsletter outubro 2015
Veja este e-mail no seu navegador
Compartilhado
Chilrear
Convide um amigo
E-newsletter
Outubro 2015
Bem-vindo ao e-newsletter mensal da Reforma Penal Internacional, um round-up do PRI e outras notícias reforma penal de todo o mundo e uma variedade de justiça criminal e de recursos de direitos humanos.

As opiniões expressas nas notícias abaixo não são necessariamente as do PRI.
Na edição deste mês
NO CENTRO DAS ATENÇÕES
Nova publicação PRI: Pena de morte: Mitos e Realidades

PRI publicou um novo guia curta dar "respostas rápidas a perguntas comuns" sobre a pena de morte. Publicado como parte do projeto de pena de morte, financiado pela UE do PRI, o guia fornece os fatos por trás freqüentemente ouvido 'mitos', tais como: "A pena de morte continua sociedades mais seguras", "a pena de morte é aplicada de forma justa ',' não há nada no internacional lei para impedir que os países usando a pena de morte ", e" vítimas e parentes são a favor '.

E o nosso novo perito blogue este mês:

Prevenção de doenças infecciosas nas prisões: a saúde pública e os direitos humanos imperativo

Neste blog, Gen Sander, Direitos Humanos, analista de pesquisa noHarm Reduction Internacional, diz que os Estados têm um dever a saúde pública e um dever em direitos humanos para combater a propagação de doenças infecciosas de prisão. 
ADVOCACIA GLOBAL 

PRI na sessão 70 da Assembleia Geral da ONU 

No curso da sessão 70 da Assembleia Geral das Nações Unidas, PRI tem se envolvido em várias questões de sensibilização das Regras Mínimas das revistas para o Tratamento de Presos (Regras de Mandela) para a preparação da Sessão Especial da Assembleia Geral da ONU sobre Drogas, que deverá ter lugar em abril do próximo ano. 

As Regras Mínimas revistos para o Tratamento de Presos (Regras de Mandela) 

Em 19 de outubro, PRI co-organizou um evento paralelo sobre a aplicação das Regras Mínimas das revistas para o Tratamento de Presos (Regras de Mandela.) - Concentrando-se em disposições relacionadas com a prevenção da tortura e dos maus-tratos Assista ao webcast gravada .
 

No início de outubro, o diretor executivo do PRI, Alison Hannah se juntou a um painel no Escritório das Nações Unidas contra a Droga eo lançamento de alto nível do Crime do Regulamento Mandela, fornecendo uma visão geral das três áreas - queixas, de inspecção e de assistência jurídica - onde as regras revistas fornecem novas orientações para os gestores de prisão. 

Leia mais sobre as regras Mandela.

Side-evento destaca razões para manter as mulheres fora da prisão   

ogether com o Instituto Tailândia de Justiça e com o apoio da Representação Permanente da Tailândia na ONU, evento paralelo do PRI em 20 de outubro com foco na redução da prisão das mulheres. 

Olivia Rope Oficial de Programa do PRI, falou a Rádio ONU sobre o assunto. Ouça aqui. 

Protecção das meninas no sistema de justiça criminal 

Em 16 de Outubro, o Gabinete do Representante Especial do Secretário-Geral das Nações Unidas sobre Violência contra a Criança (RESG-VAC) e UNODC organizou umpainel de alto nível para discutir estratégias e práticas promissoras para melhorar a proteção de meninas da violência no sistema de justiça criminal . 

Diretor de Políticas do PRI, Andrea Huber, participou no painel, que foi moderado pelo RESG-VAC, Marta Santos Pais. Novo relatório temático do Representante Especial,salvaguarda os direitos das raparigas no sistema de justiça criminal - Prevenção da violência, estigmatização e privação de liberdade foi lançado no evento.
POLÍTICAS DE DROGAS 

Mais de 6.000 infratores da legislação antidrogas lançadas nos EUA

O lançamento no fim de semana de novembro 02-03, de mais de 6.000 prisioneiros nos EUA que tiveram suas sentenças longas da Droga ofensas reduzidos por meses e em alguns casos anos, como resultado da revisão das normas de condenação no ano passado, levou ampla cobertura e especulação que a guerra dos Estados Unidos contra as drogas está finalmente em retirada.

Emissora americana NPR tem proporcionado um FAQ útil sobre os lançamentos.

Reino Unido emissora, Channel 4, em um vídeo de 5 minutos, relata a história da guerra contra as drogas em os EUA: a introdução de sentenças obrigatórias, incluindo a vida sem liberdade condicional, por delitos de drogas, incluindo os não-violentos, ea dramática explosão da população carcerária na década de 1990.

Vários relatos enfatizam as barreiras ex-prisioneiros terão de enfrentar a re-entrada, a falta de capacidade em centros de reabilitação, bem como a importância de oferecer o suporte adequado.

"Fora daqui, eu ainda não sei como viver ': 6.000 condenados drogas preparar para a liberação" (The Guardian UK)

Business Insider Austrália observa que os prisioneiros dadas sentenças de prisão perpétua obrigatórias para delitos de drogas sob a "lei de três greves" não será elegível para a liberação.

Estes desenvolvimentos nos EUA refletem o debate cada vez mais vocal sobre o fracasso da proibição e são uma de uma série de exemplos recentes de países que procuram mudar a sua resposta ao uso de drogas longe da justiça criminal. Veja, por exemplo, o novo relatório do Centro de Estudos Legais e Sociais (CELS) da Argentina sobre o impacto das políticas de drogas e dos direitos humanos na América Latina, e um blog para PRI por Luciana Pol de CELS na mesma. A Sessão Especial das Nações Unidas no próximo ano em abril vai se concentrar em drogas e é uma oportunidade fundamental para a comunidade internacional a mudar suas políticas. Veja mais na UNGASS aqui.

E em notícias só no caso, a decisão da Suprema Corte mexicana que poderia pôr em marcha a legalização da maconha para uso pessoal.

Sociedade Civil Audição sobre a Sessão Especial da Assembleia Geral da ONU sobre o Problema Mundial das Drogas (UNGASS)

Em 21 de outubro, a Força-Tarefa da Sociedade Civil (CSTF) sobre a UNGASS sobre drogas realizada uma audição em Nova York para atualizar delegados presentes à Assembléia Geral sobre os pontos de vista da sociedade civil e seu trabalho em preparação para a UNGASS em abril do próximo ano. Diretor de Políticas do PRI, Andrea Huber compartilhado o resultado de uma consulta ONG realizada em Genebra em setembro com organizações que trabalham no sector da justiça criminal.

Assista ao webcast gravado.

Novo relatório da Redução de Danos Internacional: a pena de morte para delitos de drogas: Visão Global de 2015

Como parte de sua série "Visão Global", Redução de Danos Internacional (HRI) foipublicado um novo relatório sobre a legislação e as práticas sobre a pena de morte para delitos de drogas em todo o mundo. O relatório observa que, apesar do elevado número de pessoas executadas por delitos relacionados com a droga eo número considerável de países onde a pena de morte é aplicável a delitos de drogas, poucos realmente realizar execuções por crimes relacionados com a droga.

Outras notícias e recursos

Global: Por Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU Precisa Bom Política de Drogas
Grécia: Nova Lei na Grécia condenará Certos Concessionárias de drogas à prisão perpétua
Irlanda: salas de injecção para viciados para abrir no próximo ano em mudança na lei de drogas, diz ministro

Alternativas à prisão

Blog: Preso por dia assistindo TV: a necessidade de reforma das prisões na África

Em um relatório recente sobre o encarceramento sobre-e superlotação, o Comissário da ONU para os Direitos Humanos argumentou que que penas privativas de liberdade devem ser impostas como medidas de último recurso e aplicadas de forma proporcionada para atender a uma necessidade social premente. Uma recente visita à África Oriental por Rob Allen ilustrado que muito mais precisa ser feito se que deve ser alcançado na região.

PRI está trabalhando em um programa em três países da África Oriental - Quénia, Uganda e Tanzânia - para ampliar o uso de serviço comunitário como alternativa à prisão. Foto (acima) um projeto de serviço comunitário executado pelo Departamento de Serviço Social em Uganda apoiado pelo PRI e financiado pelo governo do Reino Unido (Foto: Will copyright Boase 2015).

PRI expande trabalhos sobre alternativas à prisão em Marrocos e na Tunísia

Novo financiamento da Embaixada Britânica em Marrocos, a União Europeia eo Governo dos Estados Unidos irá apoiar o desenvolvimento de alternativas não privativas de liberdade, bem como a reabilitação ea melhoria das condições carcerárias. Estes projectos serão implementados por escritório do PRI no Oriente Médio e Norte da África.

JUSTIÇA PARA CRIANÇAS


Novo relatório sobre penas de prisão perpétua para delinquentes juvenis nos Estados Unidos

estudo por US advocacia de interesse público, o Projeto Black Philip, mostra um declínio dramático nos últimos anos na vida juvenil, sem liberdade condicional (JLWOP) frases. Com base na legislação e práticas de condenação, o relatório conclui que há um crescente consenso nacional contra JLWOP. A Suprema Corte dos Estados Unidos tem sido apresentado com dois casos em que a constitucionalidade da vida sem frases de liberdade condicional para jovens é questionada.

Relatório: Pais Behind Bars - O que acontece com seus filhos?

Com mais de 5 milhões de crianças de ter experimentado um dos pais servindo tempo em os EUA, a organização, Tendências Criança realizou uma pesquisa sobre como as crianças são afetadas por ter um pai atrás das grades. O relatório mostra que a prisão dos pais pode estar relacionada com problemas de saúde na infância, problemas de comportamento e baixo desempenho na escola.

Novo relatório em breve do PRI! A sentença compartilhada: filhos de pais presos em Uganda

Este ano, a Carta Africano sobre os Direitos e Bem-Estar da Criança (ACRWC) comemora 25 anos desde a sua adopção. A partir de novembro 20-21 aconferência será realizada na Etiópia para avaliar o impacto da Carta até agora e para desenvolver uma agenda para o futuro.

Durante a conferência PRI e da Fundação para a Iniciativa de Direitos Humanos (FHRI) vai lançar um relatório de pesquisa sobre a situação dos filhos de prisioneiros em Uganda, que avalia o grau em que Uganda tem, até agora implementadas as recomendações do primeiro Comentário Geral sobre o Africano Carta (artigo 30), que foi adoptada em 2013 e fornece os Estados membros com orientações sobre a protecção das crianças afectadas pela prisão dos pais.

Cuidado com o relatório neste boletim e no nosso website emwww.penalreform.org/resources.

Outras notícias e recursos

França: França interessados ​​em inovador Código Justiça Juvenil da Geórgia
Paquistão: prisioneiros juvenis abusadas sexualmente em Peshawar cadeia, "fornecido" aos reclusos
Reino Unido: prisão preventiva Juventude continua a cair
Reino Unido: Substitua prisões criança com pequenas unidades, diz relatório 

JUSTIÇA pré-julgamento


Novo relatório: 70 por cento dos detidos nas prisões nigerianas a aguardar julgamento

Um novo relatório pela Comissão Nacional de Direitos Humanos da Nigéria (CNDH) revela atrasos graves no sistema de justiça criminal, com mais de 39 mil detidos a aguardar julgamento e conclui que os atrasos no sistema de justiça criminal não só resultar em condições de superlotação e prisão deplorável, mas também violar a Constituição direito dos nigerianos a permanecer "inocente até prova em contrário".

Novo relatório: Acesso Internacional à Justiça

Centro de Bingham para o Estado de Direito publicou um novo relatório sobre o acesso à justiça para ambos os infratores e vítimas de crimes violentos do relatório abrange a acessibilidade e eficácia dos mecanismos de ajuda e reparação legal para vítimas de violência, e dá recomendações gerais para a superação de barreiras ao acesso à justiça.

Outras notícias e recursos

Indonésia: Amnistia aponta para 'falhas endêmicas' no sistema de justiça da Indonésia 

MULHERES EM sistema de justiça criminal

PRI e FHRI entregar primeiro treinamento África Oriental para o pessoal prisional mulheres sobre as Regras das Nações Unidas Bangkok

Em outubro, o PRI eo Uganda ONG, Fundação para os Direitos Humanos Initiative(FHRI), entregue treinamento para 23 agentes penitenciários e três membros do Departamento de Serviço Social, cobrindo tópicos tais como responder às mulheres que sofreram violência, prestar cuidados de saúde específica de género e da formação profissional para as mulheres.

Este treinamento é parte de um programa global para implementar as disposições do Regulamento de Banguecoque da ONU. Saiba mais sobre nosso trabalho com as prisioneiras e as Regras de Bangkok da ONU no Leste da África.

Número de mulheres na prisão sobe globalmente: novas estatísticas

A mais nova edição da Lista Prisão Mundial Feminino pelo Instituto de Política Criminal Research revela que atualmente mais de 700.000 mulheres e meninas são mantidas em instituições penais em todo o mundo, subindo da 625000 estimada em 2012. A taxa de encarceramento de mulheres tem crescido muito mais rápido do que os níveis de população prisional masculina desde por volta do ano 2000, com o número de mulheres e meninas em prisão aumentando em 50% nos últimos 15 anos, em comparação com um aumento de aproximadamente 20% na população em geral prisão nesse período. As novas estatísticas também mostram que o número de mulheres e meninas na prisão aumentou de forma particularmente acentuada na América Central e do Sul e no Sudeste da Ásia.

Relatório Relator Especial das Nações Unidas sobre as minorias no sistema de justiça criminal

relatório aborda a discriminação das minorias em todo o processo de justiça criminal; incluindo o aumento da probabilidade de prisão e de ser detido em prisão preventiva, sentença discriminatória e condições de prisão. O relatório vai informar um Fórum sobre esta questão em Genebra em 24-25 de Novembro. Do PRI Director Regional do nosso Oriente Norte de África Middle Office, Taghreed Jaber, falará sobre os trabalhadores migrantes no sistema de justiça criminal e delegação do PRI também será a sensibilização para os problemas enfrentados pelas mulheres presas oriundas de grupos minoritários em um evento paralelo em 25 de Novembro.

Outras notícias e recursos

ONU: Comitê CEDAW emite recomendação geral sobre o acesso das mulheres à justiça
EUA: Grávido e atrás das grades: como os EUA sistema prisional abusos mães-de-ser
Tunísia: Relatório de Género na reforma das prisões da Tunísia
Jordan: DIGNIDADE: o Instituto Dinamarquês contra a Tortura publica um novo estudo sobre a situação das mulheres nas prisões jordanianas
TORTURA PREVENÇÃO E CONDIÇÕES EM DETENÇÃO 

Organização Mundial da Saúde lança parceria para a saúde no sistema de justiça criminal

O Escritório Regional da OMS para a Europa lançou recentemente um primeiro de seu tipo de plataforma baseada na web que reúne recursos prisão de saúde relacionados fornecidos pela OMS / Europa e organizações parceiras. Neste curto vídeo OMS destaca algumas das características da plataforma.

Human Rights Watch relatam: "Direitos Humanos Desastres" as condições das prisões brasileiras

Este novo relatório da Human Rights Watch destaca o problema da superlotação nas prisões do Brasil - culpando o elevado número de presos provisórios como resultado de detenção pré-julgamento de quase-automática após a prisão - e revela graves problemas de saúde e de segurança que frequentemente resultam em motins violentos.

Novo relatório sobre a visitação nas prisões estaduais dos EUA

Separação por bares e Miles: Visitação em prisões estaduais por organização norte-americana, a iniciativa política penitenciária, relata que menos de um terço da população carcerária receber uma visita em um mês típico, e descreve como as longas distâncias e processos que visitam complicados desencorajar as visitas de familiares.

Outras notícias e recursos

Globais: As empresas que lucram com instrumentos de tortura enfrentar nova ofensiva da UE
Camboja: Prisão Director acusado de Graft generalizada
Camarões: Grupos de Direitos: Prisões superlotadas Camarões
França: as condições das prisões francês condenou Pacífico
Índia: superlotados, com equipe e crescente número de undertrials - o triste estado de coisas continua em prisões indianas
Rússia: Rússia 'sádico' Prison Reform Law Parlamento aprova em primeira leitura
Reino Unido: 'Dirty, superlotados e inseguros': Walton prisão explodido sobre catálogo de falhas por inspectores
Índia: produtividade dos Prisioneiros: Treinado detentos ajudaram cadeias de ganhar Rs 150 cr
Quênia: Bill para reduzir estadia prisão por "bons" presos
Escócia: Mesquita geminada com maior prisão da Escócia para reduzir a reincidência
Reino Unido:

Nenhum comentário:

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

Sugestões: Livros e Revistas

  • AGUIAR, Geraldo Mario de. Sequestro Relâmpago. Curitiba: Protexto, 2008.
  • ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Sistema Penal Máximo x Cidadania Mínima: códigos da violência na era da globalização. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.
  • ANDRADE. Pedro Ivo. Crimes Contra as Relações de Consumo - Art. 7º da Lei 8.137/90. Curitiba: Juruá, 2006.
  • ANITUA, Gabriel Ignácio. História dos Pensamentos Criminológicos. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2008. Coleção Pensamento Criminológico n. 15.
  • ARAÚJO, Fábio Roque e ALVES, Leonardo Barreto Moreira (coord.). O Projeto do Novo Código de Processo Penal. Salvador: Juspodivm, 2012. 662p.
  • AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli de; CARVALHO, Salo de. A Crise do Processo Penal e as Novas Formas de Administração da Justiça Criminal. Porto Alegre: Notadez, 2006.
  • BAKER, Mark W. Jesus, o Maior Psicólogo que Já Existiu. São Paulo: Sextante, 2005.
  • BARATA, Alessandro. Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal: introdução à sociologia do direito penal. Trad. e pref. Juarez Cirino dos Santos. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2002. ( Pensamento criminológico; 1)
  • BARBATO Jr, Roberto. Direito Informal e Criminalidade: os códigos do cárcere e do tráfico. Campinas: Millennium, 2006.
  • BARKER, Gary T. Homens na linha de fogo - juventude, masculinidade e exclusão social. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.
  • BATISTA, Vera Malagutti. Dificeis ganhos faceis. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2003. (Pensamento criminológico; 2)
  • BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
  • BRAUN, Suzana. A violência sexual infantil na família: do silêncio à revelação do segredo. Porto Alegre: AGE, 2002.
  • CARNEGIE, Dale. Como fazer amigos e influenciar pessoas. Trad. de Fernando Tude de Souza. Rev. por José Antonio Arantes de acordo com a edição americana de 1981 aumentada por Dorothy Carnegie. 51. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2003.
  • CARVALHO, Salo de. A Política Criminal de Drogas no Brasil (Estudo Criminológico e Dogmático). 4. ed. ampl. e atual. e com comentários à Lei 11.343/06. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • CARVALHO, Salo de. Anti Manual de Criminologia. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.
  • CARVALHO, Salo de. Crítica à Execução Penal - 2. ed. rev., ampl. e atual. de acordo com a Lei nº 10.792/2003. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • CASTRO, Lola Aniyar de. Criminologia da Libertação. Trad. Sylvia Moretzsohn. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2005. (Pensamento criminológica; v. 10)
  • CERVINI, Raul. Os processos de descriminalização. 2. ed. rev. da tradução. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.
  • CHARAM, Isaac. O estupro e o assédio sexual: como não ser a próxima vítima. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Ventos, 1997.
  • COSTA, Yasmin Maria Rodrigues Madeira da. O Significado ideológico do sistema punitivo brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 2005.
  • D'AVILA, Fabio Roberto; SOUZA, Paulo Vinicius Sporleder de. Direito Penal Secundário: Estudos sobre Crimes Econômicos, Ambientais, Informática. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.
  • D'ELIA FILHO. Orlando Zaccone. Acionistas do Nada: quem são os traficantes de droga. Rio de Janeiro: Revan, 2007.
  • DA ROSA, Alexandre Morais. Guia Compacto de Processo Penal conforme a Teoria dos Jogos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.
  • DA SILVA, Edimar Carmo; URANI, Marcelo Fernandez. Manual de Direito Processual Penal Acusatório. Curitiba: Juruá, 2013.
  • DE GIORGI, Alessandro. A miséria governada através do sistema penal. Rio de Janeiro: ICC/Revan, 2006. Coleção Criminológica n. 12.
  • DIMOULIS, Dimitri. Manual de Introdução ao Estudo do Direito. 2. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • DIMOULIS, Dimitri. O caso dos denunciantes invejosos: introdução prática às relações entre direito, moral e justiça. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.
  • DOUGLAS, William. Como falar bem em público/ William Douglas, Ana Lúcia Spina, Rogério Sanches Cunha. São Paulo: Ediouro, 2008.
  • FERNANDES, Antonio Scarance. Processo Penal Constitucional. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.
  • FERNANDES, Antonio Scarance. Processo Penal Constitucional. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.
  • FERREIRA, Francisco Amado. Justiça Restaurativa: Natureza. Finalidades e Instrumentos. Coimbra: Coimbra, 2006.
  • FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. 33. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.
  • FRANCO, Alberto Silva. Crimes Hediondos. 6. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • FREIRE, Christiane Russomano. A violência do sistema penitenciário brasileiro contemporâneo: o caso RDD ( regime disciplinar diferenciado). São Paulo: IBCCRIM, 2005 (Monografias / IBCCRIM; 35)
  • GERBER, Daniel; DORNELLES, Marcelo Lemos. Juizados Especiais Criminais Lei n.º 9.099/95: comentários e críticas ao modelo consensual penal. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.
  • GIORGI, Alessandro De. A miséria governada através do sistema penal. Trad. Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2006 (Pensamento criminológico; v. 12)
  • GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Trad. Dante Moreira Leite. São Paulo: Perspectiva, 2007. (Debate; 91/ Dirigida por J. Guinsburg)
  • GOMES, Rodrigo Carneiro. Crime Organizado na visão da Convenção de Palermo. Belo Horizonte/MG: Del Rey, 2008.
  • GRISHAM ,John. O advogado. Trad. de Aulyde Soares Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
  • JAKOBS, Günther; MELIÁ, Manuel Cancio. Direito Penal do inimigo: noções e críticas. org. e trad. André Luís Callegari, Nereu José Giacomolli. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.
  • JUNIOR, Heitor Piedade et al. Vitimologia em debate II. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 1997.
  • JUNIOR, Heitor Piedade. Vitimologia: evolução no tempo e no espaço. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1993.
  • KALIL, Gloria. Alô, Chics ! - Etiqueta Contemporânea. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.
  • KARAM. Maria Lúcia. Juizados Especiais Criminais: a concretização antecipada do poder de punir. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.
  • KHADY. Mutilada. Khady com a colaboração de Marie-Thérère Cuny. Trad. de Rejane Janowitzer. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.
  • KONZEN, Afonso Armando. Justiça Restaurativa e Ato Infracional: Desvelando Sentidos no Itinerário da Alteridade. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.
  • KOSOVSKI, Ester (org.); JUNIOR, Heitor Piedade (org.).Vitimologia e direitos humanos.Rio de Janeiro:Reproart,2005
  • KOSOVSKI, Ester: PIEDADE JR, Heitor (org.). Temas de Vitimologia II. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2001.
  • KOSOVSKI, Ester; SÉGUIN, Elida (coord.). Temas de Vitimologia. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2000
  • LOPES JÚNIOR, Aury. Direito Processual Penal. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
  • MARTIN, Luís Gracia. O Horizonte do Finalismo e o Direito Penal do Inimigo. Trad. Érika Mendes de Carvalho e Luiz Regis Prado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • MAZZILLI NETO, Ranieri. Os caminhos do Sistema Penal. Rio de Janeiro: Revan, 2007.
  • MAÍLLO. Alfonso Serrano. Introdução à Criminologia. Trad. Luiz Regis Prado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • MELOSSI, Dario; PAVARINI, Massimo. Cárcere e fábrica: as origens do sistema penitenciário (séculos XVI - XIX). Trad. Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2006. (Pensamento criminológico; v. 11).
  • MENDRONI, Marcelo Batlouni. Crime de lavagem de dinheiro. São Paulo: Atlas, 2006.
  • MENDRONI, Marcelo Batlouni. Crime Organizado - Aspectos Gerais e Mecanismos Legais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2007.
  • MEROLLI, Guilherme. Fundamentos Críticos de Direito Penal - Curso Ministrado na Cadeira de Direito Penal I da UFSC. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.
  • MESTIERI, Jõao. Manual de Direito Penal. 1. ed., 2. tiragem. Rio de Janeiro: Forense, 2002. v. I.
  • MOLINA, Antonio Garcia-Pablos de; GOMES, Luiz Flávio. Criminologia. Org. Rogério Sanches Cunha. 6. ed. ref., atual e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • MULLER, Jean Marie. Não-violência na educação. Trad. de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Atenas, 2006.
  • NEPOMOCENO, Alessandro. Além da Lei - a face obscura da sentença penal. Rio de Janeiro: Revan, 2004.
  • NEVES, Eduardo Viana Portela. Criminologia para concursos públicos. Salvador: Juspodivm, 2013.
  • NUCCI, Guilherme de Souza. Código de Processo Penal Comentado. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • NUCCI, Guilherme de Souza. Leis Penais e Processuais Penais Comentadas. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • NUCCI, Guilherme de Souza; NUCCI, Naila Cristina Ferreira. Prática Forense Penal. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • OLIVEIRA, Ana Sofia Schmidt de. A Vítima e o Direito Penal: uma abordagem do movimento vitimológico e de seu impacto no direito penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999.
  • OLMO, Rosa. A América Latina e sua criminologia. Rio de Janeiro: ICC/Revan, 2004. Coleção Pensamento Criminológico n. 9.
  • PACELLI, Eugênio. Curso de Processo Penal. 16 ed. São Paulo: Atlas, 2012.
  • PASUKANIS, Eugeny Bronislanovich. A teoria geral do direito e o marxismo. trad., apres. e notas por Paulo Bessa. Rio de Janeiro: Renovar, 1989.
  • PEASE, Allan; PEASE, Barbara. Como conquistar as pessoas. Trad. de Márcia Oliveira. Rio de Janeiro: Sextante, 2006.
  • PEASE, Allan; PEASE, Barbara. Desvendando os segredos da linguagem corporal. Trad. Pedro Jorgensen Junior. Rio de Janeiro: Sextante, 2005.
  • POLITO, Reinaldo. Oratória para advogados e estudantes de Direito. São Paulo: Saraiva, 2008.
  • POLITO, Reinaldo. Oratória para advogados e estudantes de Direito. São Paulo: Saraiva, 2008.
  • POLITO, Reinaldo. Superdicas para falar bem: em conversas e apresentações. São Paulo: Saraiva, 2005.
  • PORTO, Roberto. Crime Organizado e Sistema Prisional. São Paulo: Atlas, 2007.
  • PRADO, Luiz Regis. Bem Jurídico-Penal e Constituição. 3. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.
  • PRADO, Luiz Regis. Comentários ao Código Penal. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • Revista Visão Jurídica - Editora Escala (www.escala.com.br)
  • RODRIGUES, Anabela Miranda. A posição jurídica do recluso na execução da pena privativa de liberdade. São Paulo: IBCCRIM, 1999 (Monografias / IBCCRIM; 11)
  • ROSA, Alexandre Morais da. Garantismo Jurídico e Controle de Constitucionalidade Material. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.
  • ROSA, Alexandre Morais da. Introdução Crítica ao Ato Infracional - Princípios e Garantias Constitucionais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • ROSA, Alexandre Morais da. Para um Processo Penal Democrático: Crítica à Metástase do Sistema de Controle Social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.
  • ROVINSKI, Sonia Liane Reichert. Dano Psíquico em Mulheres Vítima de Violência. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004.
  • RUSCHE, Georg; KIRCHHEIMER, Otto. Punição e Estrutura Social. 2. ed. Trad. Gizlene Neder. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2004. (Pensamento criminológico; 3)
  • SABADELL, Ana Lucia; DIMOULIS, Dimitri; MINHOTO, Laurino Dias. Direito Social, Regulação Econômica e Crise do Estado. Rio de Janeiro: Revan, 2006.
  • SABADELL, Ana Lúcia. Manual de Sociologia Jurídica: Introdução a uma Leitura Externa do Direito. 4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • SABADELL, Ana Lúcia. Tormenta juris permissione: Tortura e Processo Penal na Península Ibérica (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: ICC/Revan, 2006. Coleção Pensamento Criminológico n. 13.
  • SALIBA, Marcelo Gonçalves. Justiça Restaurativa e Paradigma Punitivo. Curitiba: Juruá, 2009.
  • SANCTIS, Fausto Martin de. Combate à Lavagem de Dinheiro. Teoria e Prática. Campinas/SP: Millennium, 2008.
  • SANTANA, Selma Pereira de. Justiça Restaurativa: A Reparação como Conseqüência Jurídico-Penal Autônoma do Delito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.
  • SANTOS, Juarez Cirino dos. A Criminologia Radical. 2. ed. Curitiba: Lumen Juris/ICPC, 2006.
  • SANTOS, Juarez Cirino dos. Direito Penal: parte geral. Curitiba: Lumen Juris/ICPC, 2006
  • SCURO NETO, Pedro. Sociologia Geral e Jurídica : introdução à lógica jurídica, instituições do Direito, evolução e controle social. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
  • SEBOLD, Alice. Sorte. Trad. Fernanda Abreu. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.
  • SHECAIRA, Sérgio Salomão. Criminologia. 2. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • SHECAIRA, Sérgio Salomão. Sistema de Garantias e o Direito Penal Juvenil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • SICA, Leonardo. Justiça Restaurativa e Mediação Penal - O Novo Modelo de Justiça Criminal e de Gestão do Crime. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • SLAKMON, Catherine; MACHADO, Maíra Rocha; BOTTINI, Pierpaolo Cruz (Orgs.). Novas direções na governança da justiça e da segurança. Brasília-DF: Ministério da Justiça, 2006.
  • SLAKMON, Catherine; VITTO, Renato Campos Pinto De; PINTO, Renato Sócrates Gomes (org.). Justiça Restaurativa: Coletânea de artigos. Brasília: Ministério da Justiça e PNUD, 2005.
  • SOARES, Orlando. Sexologia Forense. Rio de Janeiro: Freitas Bastas, 1990.
  • SOUZA, José Guilherme de. Vitimologia e violência nos crimes sexuais: uma abordagem interdisciplinar. Porto Alegre: Safe, 1998
  • SOUZA, Paulo Sérgio Xavier de. Individualização da Pena no Estado Democrático de Direito. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2006.
  • SPOSATO, Karyna Batista. O Direito Penal Juvenil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.
  • SQUARISI, Dad; SALVADOR, Arlete. Escrever Melhor — Guia para passar os textos a limpo. São Paulo: Contexto, 2008.
  • SUMARIVA, Paulo. Criminologia - Teoria e Prática. Niterói: Impetus, 2013.
  • SÁ, Alvino Augusto de. Criminologia Clínica e Psicologia Criminal. prefácio Carlos Vico Manãs. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • TASSE, Adel El. Criminologia. São Paulo: Saraiva, 2013. Col. Saberes do Direito, v. 58.
  • TELES, Maria Amelia de Almeida. O que são Direitos Humanos das Mulheres. São Paulo: Brasiliense, 2006.
  • TELES, Maria Amélia de Almeida; MELO, Mônica de. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2003. (Coleção primeiros passos; 314)
  • TOURINHO, José Lafaieti Barbosa. Crime de Quadrilha ou Bando de Associações Criminosas. 2. ed., rev. e atual. Curitiba: Juruá, 2008.
  • VASCONCELOS, Carlos Eduardo de. Mediação de conflitos e práticas restaurativas. São Paulo: Método, 2008.
  • VERARDO, Maria Tereza. Sexualidade violentada: as marcas de uma tentativa de destruição. São Paulo: O Nome da Rosa, 2000.
  • VEZZULLA, Juan Carlos. A Mediação de Conflitos com Adolescentes Autores de Ato Infracional. Florianópolis: Habitus, 2006.
  • VIANNA, Túlio Lima. Transparência pública, opacidade privada: o direito como instrumento de limitação do poder na sociedade de controle. Rio de Janeiro: Revan, 2007.
  • VIGARELLO, Georges. História do Estupro: violência sexual nos séculos XVI-XX. Trad. Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
  • VILHENA, Leonardo da Silva. A Preclusão para o Juiz no Processo Penal. Curitiba: Juruá, 2007.
  • WACQUANT, Loic. As duas faces do gueto. Trad. Paulo C. Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2008.
  • WACQUANT, Loic. As Prisões da Miséria. São Paulo: Jorge Zahar, 2001.
  • WACQUANT, Loic. Punir os Pobres: a nova gestão de miséria nos Estados Unidos. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: F. Bastos, 2001; Revan, 2003. (Pensamento criminológico; 6)
  • WUNDERLICH, Alexandre; CARVALHO, Salo (org.). Novos Diálogos sobre os Juizados Especiais Criminais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.
  • WUNDERLICH, Alexandre; CARVALHO, Salo de. Dialogos sobre a Justiça Dialogal: Teses e Antiteses do Processo de Informalização. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2002.
  • YOUNG, Jack. A sociedade excludente: exclusão social, criminalidade e diferença na modernidade recente. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2002. (Pensamento criminológica; 7)
  • ZAFFARONI, Eugenio Raul. Inimigo no Direito Penal. Rio de Janeiro: Revan, 2007. Coleção Pensamento Criminológico n. 14.
  • ZAFFARONI, Eugenio Raul. Manual de Direito Penal Brasileiro: Parte Especial. 2. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007. Vol. 2.
  • ZAFFARONI, Eugenio Raul; PIERANGELI, José Henrique. Manual de Direito Penal Brasileiro: Parte geral. 7. ed. rev. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007. Vol. 1.
  • ZEHR, Howard. Trocando as lentes: um novo foco sobre o crime e a justiça. Tradução de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2008.