Google+ Followers

Pesquisar este blog

segunda-feira, 18 de maio de 2015

OS PÁSSAROS E SUAS GAIOLAS: LIBERDADE

Desejos, escolhas, renúncias e frustrações: tudo isso e mais um pouco integra os gritos libertários vindos da sociedade e também de dentro de você. ser livre é uma utopia?


Quem nunca se sentiu como a personagem do poema Aprendam com o vento, extraído do livro O mundo de vidro, do cearense William Lial? Diz o poeta: Silêncio!/ O vento pede silêncio./ Cansado de correr/ entre a barafunda do mundo,/ quer liberdade de se ouvir correndo,/ quer espraiar-se sobre a cidade/ sem respeitar limites,/ sem conhecer obstáculos./ Sintam.../ Sintam o vento,/ aprendam a sua liberdade./ Gritem!/ Voem!/ Conheçam o infinito!/ Corram!/ Subam!/ Desçam!/ Espalhem-se!

A liberdade, conceito tão caro à humanidade, tem sido, de fato, aclamada no imperativo ao longo dos tempos, em termos coletivos ou individuais. Sua força apresenta uma vontade exclamativa, porém, seus limites levantam questionamentos. O confronto existente nesta palavra é bem descrito por Lial na metáfora referente à sua busca: para ser livre, é preciso romper barreiras e abrir caminhos para novas possibilidades. Em contraposição, também se encontram nos versos o imaginado pelo senso comum, que vê a liberdade como algo em que “se pode fazer tudo e qualquer coisa”, sem considerar a presença do outro.

Entretanto, ambas as ideias concordam em um ponto: na “consciência da necessidade”, em que somente quando se toma conhecimento das próprias limitações, dependências e vontades, além daquilo que não está ao alcance, é que se pode agir em conformidade com os próprios desejos em meio a circunstâncias incertas. Pois os desejos são a primeira ferramenta para ser livre. Não é à toa que só se deseja aquilo que não se tem. E ainda que não se tenha plena certeza se o desejo será atendido, é necessário “conhecer o infinito”, como diz o poeta, e se arriscar em sua busca. Esta pode começar em vencer limites do próprio corpo, com novos movimentos e performances. “Se encararmos o corpo por uma perspectiva psicossomática, entendendo esse organismo vivo como morada e suporte da imaginação, da memória, das frequências sutis e invisíveis, podemos trabalhar a partir desses limites, potencializando a dinâmica no corpo e sua expressividade”, explica a diretora da companhia Oito Nova Dança, Lu Favoreto. Assim, eis o limite fortalecendo a liberdade criativa. Porém, é importante lembrar que “aguentar a frustração é um exercício necessário [na busca pela liberdade]; do contrário, pode haver uma retração ou inibição que paralisa e impede o sujeito de sentir-se capaz, ou novamente capaz”, afirma a psicanalista Cláudia Arbex.

Por isso, a filósofa Olgária Matos, da Universidade de São Paulo (USP), reforça que “a liberdade é simultaneamente autarquia e liberação das coerções possíveis de serem ultrapassadas”. Por estar sempre ligada aos hábitos, tradições e paixões dos seres humanos, é inconcebível e impraticável a sua concepção individualista levada ao extremo, por mais que existam liberdades individuais relacionadas às escolhas pessoais. Os próprios limites colocados pelos outros ao indivíduo demonstram a sua impraticabilidade, o que já ocorre desde a infância. “Adultos que não conseguem impor determinados limites [às crianças], com receio de frustrar seus filhos juntamente com a expectativa que projetam neles, acabam por afrouxar demais as regras e esperam que as crianças decidam por eles. Desse modo, como descobrir a liberdade sem conhecer a renúncia? Como ser livre sem aprender a lidar com a frustração?”, questiona Cláudia.

LIVRE?
Dizem que um pássaro fora da gaiola é um pássaro livre. Porém, ele, na sua condição de animal e, portanto, de ser acultural, pode não ser, de fato, “livre”, pois, ao agir por instinto, não tem noção de sua “liberdade”. A pergunta que se faz aqui, e que tem sido respondida de diversas maneiras por filósofos e cientistas de várias épocas, é se a liberdade é algo essencialmente humano. O sociólogo e filósofo Nildo Viana, da Universidade Federal de Goiás (UFG), cita a distinção entre “liberdade de” e “liberdade para”, elaboradas pelo filósofo Ernst Bloch (1885-1977) e pelo psicanalista Erich Fromm (1900-1980) para comentar a questão. “A ‘liberdade de’ é quando um obstáculo é removido, como o pássaro, que ficou ‘livre da gaiola’ e como um prisioneiro pode ficar ‘livre da prisão’. Essa liberdade é apenas ausência de correntes para nos prender, mas não é afirmativa. A ‘liberdade para’ é quando, além de ausentes as correntes que nos aprisionam, nós podemos realizar algo, tal como um projeto de vida – algo essencialmente humano”, explica Viana.

Mais uma vez, a dualidade em “ser livre” vem à tona. Se, por um lado, há correntes o tempo todo, o que devemos fazer quando estivermos livres delas? Nesse ínterim, a humanidade escuta, há séculos, os gritos de liberdade pela boca dos oprimidos em forma de lema, de pedido, de revolução. Também ressoa ao longe o desejo de libertação vindo de vozes abafadas no interior de cada ser humano. São desejos pelo fim da escravidão, por maior autonomia política, pelo direito de ir e vir, por uma profissão que atenda às próprias expectativas e não às da família, pela escolha do parceiro, por comparecer ou não a um evento, por dizer o que se pensa, sem restrições. Assim, as liberdades coletiva e individual vivem em um eterno abraço, tão forte quanto as correntes que almejam romper. 

Certos contextos, como guerras, perseguições políticas ou miséria, por trazerem situações extremas, ilustram bem estas duas liberdades: a da necessidade de se libertar de um acontecimento e ser “livre” em outra região, aliada às escolhas pessoais de deixar ou não a terra natal. A peça Cartas libanesas, em cartaz em São Paulo, no Sesc Ipiranga, até o dia 30 deste mês, retrata a “liberdade” de imigrantes libaneses no Brasil durante a virada do século 19 para o 20. Tais pessoas vieram ao país principalmente devido à falta de perspectivas econômicas no Líbano. O espetáculo tem como personagem principal Miguel Mahfuz, que representa todo e qualquer imigrante libanês daquele período. Mahfuz, ao sair de sua terra almejando melhores condições de vida, encontra em uma terra distante, chamada Brasil, um lugar onde constrói a sua vida da maneira como acredita. “Aqui ele encontrou ‘liberdade de agir, de vestir, de falar’, como escreve à sua mulher, tentando convencê-la a imigrar também. Diferentemente do que acontecia no Líbano à época, essas liberdades o estimularam a continuar [no Brasil], mesmo enfrentando aqui preconceito e discriminação”, conta o diretor da peça Marcelo Lazzaratto. 
Na opinião do escritor Miguel Sanches Neto, a “liberdade” de um autor para narrar um período histórico se dá de duas maneiras: fixando-se nos fatos e criando uma percepção bastante fiel e horizontal daquela realidade ou, então, criando uma parábola da época. Nesse caso, será algo que independe de comprovação histórica, tal como fez George Orwell (1903-1950) no livro A revolução dos bichos, trazendo uma metáfora de um regime político. “Acredito que devamos sempre buscar materiais que, em certa medida, gerem algum tipo de desequilíbrio no que está estabelecido”, complementa Lazzaratto a fim de explicar a relação entre “liberdade” e “criação” em uma obra.

Em seu recém-lançado livro, A segunda pátria, Sanches Neto dá margem a uma situação que, na realidade, não ocorreu: e se o então presidente brasileiro Getúlio Vargas (1882-1954) tivesse apoiado os nazistas  e não os Aliados durante a Segunda Guerra Mundial (1939-1945)? Para escrever sobre um Brasil názi, o escritor se valeu da liberdade de formular uma história paralela, intensificando episódios que de fato se manifestaram no país, como os preconceitos em circulação na sociedade, mas não na mesma forma e proporção a que ocorreram. Para isso, situa os acontecimentos na cidade catarinense de Blumenau, com forte influência germânica em suas origens, e traz como personagens principais o engenheiro Adolpho Ventura, negro e pai de uma criança mestiça, e Hertha, jovem de origens arianas. Em busca de suas liberdades, ambos se desfazem dos grilhões culturais e se tornam mais livres, ainda que paguem um preço alto por suas escolhas. “Espero que o leitor construa não um ódio étnico, mas uma tolerância maior com o outro, no sentido de colocar-se no lugar desse outro”, comenta o autor.

ENTRE A UTOPIA E A REALIDADE
A liberdade nasceu há muito tempo, fruto de uma época em que homens e mulheres sentiam-se prisioneiros de regras, situações e ideias. Os séculos passaram e a liberdade cresceu aqui e ali, mas sem se desenvolver por completo, ainda que seja lembrada constantemente no cotidiano de bilhões de pessoas e manifestada pela arte por anos a fio. Se a busca por ela tem relação direta com a satisfação de desejos, por meio de escolhas, consequentes renúncias e a capacidade de lidar com frustações, alcançá-la no sentido amplo do termo seria uma utopia?

Eis uma resposta tão complexa quanto a definição da própria liberdade. Afinal, de quais liberdades estamos falando? Até mesmo o pensamento, que parece ser a mais robusta manifestação de liberdade, sofre algum tipo de censura ou interferência, seja de ordem social e cultural seja das repressões e instâncias inconscientes do psiquismo, como lembra a psicanalista Cláudia Arbex. Já na visão do pai da psicanálise, Sigmund Freud (1856-1939), autor de O mal estar na civilização, não existe ato livre, porque o ser humano é guiado pelo inconsciente, de modo que a liberdade depende daquilo que se é, de acordo com as paixões que determinam os desejos e as ações. Um exemplo é a maneira como a dança dá liberdade a Lu Favoreto no momento de criá-la, dirigi-la ou executá-la. Diz a dançarina que essas ações partem de uma necessidade muito íntima: “É como se uma dinâmica começasse a acontecer dentro de nós, que não podemos escolher não ouvi-la. Você precisa se deixar conduzir por este impulso, pois, se não, ele vai passar e talvez você deixe de conhecer algo precioso que existe na sua imensidão íntima”.

Sendo assim, é preciso vencer os bloqueios psíquicos, como o medo e a insegurança, para buscar a liberdade não só individual, mas também a coletiva. Afinal, ser livre não é somente uma necessidade humana, mas também uma tendência. “Sendo uma necessidade, ela [a liberdade] só precisa se tornar consciente. E a necessidade da liberdade se tornar consciente já é o seu esboço, o seu primeiro momento de aparecimento”, afirma o sociólogo Nildo Viana.

Portanto, a liberdade não pode não ser uma completa utopia. O filósofo francês Jacques Derrida (1930-2004) afirma que há elementos utópicos na realidade e elementos realistas na utopia. “A questão é saber identificá-los [os elementos utópicos e realistas], e para isso é preciso reconhecer o momento crucial da ação livre, o momento de perigo. Este momento é aquele antes do qual nada aconteceu e depois do qual tudo estará perdido”, esclarece a filósofa Olgária Matos.

Nesta confusão entre utopia e realidade, entre elementos psíquicos e culturais, Cláudia cria mais uma definição para a liberdade: “Talvez seja um lapso, no tempo, no espaço, na linguagem. Talvez seja um momento de grande alegria e prazer, ou de isolamento e introspecção”.


Nenhum comentário:

Justiça Restaurativa: Marco Teórico, Experiências Brasileiras, Propostas e Direitos Humanos

Sugestões: Livros e Revistas

  • AGUIAR, Geraldo Mario de. Sequestro Relâmpago. Curitiba: Protexto, 2008.
  • ANDRADE, Vera Regina Pereira de. Sistema Penal Máximo x Cidadania Mínima: códigos da violência na era da globalização. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2003.
  • ANDRADE. Pedro Ivo. Crimes Contra as Relações de Consumo - Art. 7º da Lei 8.137/90. Curitiba: Juruá, 2006.
  • ANITUA, Gabriel Ignácio. História dos Pensamentos Criminológicos. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2008. Coleção Pensamento Criminológico n. 15.
  • ARAÚJO, Fábio Roque e ALVES, Leonardo Barreto Moreira (coord.). O Projeto do Novo Código de Processo Penal. Salvador: Juspodivm, 2012. 662p.
  • AZEVEDO, Rodrigo Ghiringhelli de; CARVALHO, Salo de. A Crise do Processo Penal e as Novas Formas de Administração da Justiça Criminal. Porto Alegre: Notadez, 2006.
  • BAKER, Mark W. Jesus, o Maior Psicólogo que Já Existiu. São Paulo: Sextante, 2005.
  • BARATA, Alessandro. Criminologia Crítica e Crítica do Direito Penal: introdução à sociologia do direito penal. Trad. e pref. Juarez Cirino dos Santos. 3. ed. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2002. ( Pensamento criminológico; 1)
  • BARBATO Jr, Roberto. Direito Informal e Criminalidade: os códigos do cárcere e do tráfico. Campinas: Millennium, 2006.
  • BARKER, Gary T. Homens na linha de fogo - juventude, masculinidade e exclusão social. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2008.
  • BATISTA, Vera Malagutti. Dificeis ganhos faceis. 2. ed. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2003. (Pensamento criminológico; 2)
  • BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 4. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2005.
  • BRAUN, Suzana. A violência sexual infantil na família: do silêncio à revelação do segredo. Porto Alegre: AGE, 2002.
  • CARNEGIE, Dale. Como fazer amigos e influenciar pessoas. Trad. de Fernando Tude de Souza. Rev. por José Antonio Arantes de acordo com a edição americana de 1981 aumentada por Dorothy Carnegie. 51. ed. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2003.
  • CARVALHO, Salo de. A Política Criminal de Drogas no Brasil (Estudo Criminológico e Dogmático). 4. ed. ampl. e atual. e com comentários à Lei 11.343/06. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • CARVALHO, Salo de. Anti Manual de Criminologia. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.
  • CARVALHO, Salo de. Crítica à Execução Penal - 2. ed. rev., ampl. e atual. de acordo com a Lei nº 10.792/2003. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • CASTRO, Lola Aniyar de. Criminologia da Libertação. Trad. Sylvia Moretzsohn. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2005. (Pensamento criminológica; v. 10)
  • CERVINI, Raul. Os processos de descriminalização. 2. ed. rev. da tradução. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2002.
  • CHARAM, Isaac. O estupro e o assédio sexual: como não ser a próxima vítima. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Ventos, 1997.
  • COSTA, Yasmin Maria Rodrigues Madeira da. O Significado ideológico do sistema punitivo brasileiro. Rio de Janeiro: Revan, 2005.
  • D'AVILA, Fabio Roberto; SOUZA, Paulo Vinicius Sporleder de. Direito Penal Secundário: Estudos sobre Crimes Econômicos, Ambientais, Informática. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.
  • D'ELIA FILHO. Orlando Zaccone. Acionistas do Nada: quem são os traficantes de droga. Rio de Janeiro: Revan, 2007.
  • DA ROSA, Alexandre Morais. Guia Compacto de Processo Penal conforme a Teoria dos Jogos. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013.
  • DA SILVA, Edimar Carmo; URANI, Marcelo Fernandez. Manual de Direito Processual Penal Acusatório. Curitiba: Juruá, 2013.
  • DE GIORGI, Alessandro. A miséria governada através do sistema penal. Rio de Janeiro: ICC/Revan, 2006. Coleção Criminológica n. 12.
  • DIMOULIS, Dimitri. Manual de Introdução ao Estudo do Direito. 2. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • DIMOULIS, Dimitri. O caso dos denunciantes invejosos: introdução prática às relações entre direito, moral e justiça. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.
  • DOUGLAS, William. Como falar bem em público/ William Douglas, Ana Lúcia Spina, Rogério Sanches Cunha. São Paulo: Ediouro, 2008.
  • FERNANDES, Antonio Scarance. Processo Penal Constitucional. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.
  • FERNANDES, Antonio Scarance. Processo Penal Constitucional. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2012.
  • FERREIRA, Francisco Amado. Justiça Restaurativa: Natureza. Finalidades e Instrumentos. Coimbra: Coimbra, 2006.
  • FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir: história da violência nas prisões. 33. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.
  • FRANCO, Alberto Silva. Crimes Hediondos. 6. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • FREIRE, Christiane Russomano. A violência do sistema penitenciário brasileiro contemporâneo: o caso RDD ( regime disciplinar diferenciado). São Paulo: IBCCRIM, 2005 (Monografias / IBCCRIM; 35)
  • GERBER, Daniel; DORNELLES, Marcelo Lemos. Juizados Especiais Criminais Lei n.º 9.099/95: comentários e críticas ao modelo consensual penal. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2006.
  • GIORGI, Alessandro De. A miséria governada através do sistema penal. Trad. Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2006 (Pensamento criminológico; v. 12)
  • GOFFMAN, Erving. Manicômios, prisões e conventos. Trad. Dante Moreira Leite. São Paulo: Perspectiva, 2007. (Debate; 91/ Dirigida por J. Guinsburg)
  • GOMES, Rodrigo Carneiro. Crime Organizado na visão da Convenção de Palermo. Belo Horizonte/MG: Del Rey, 2008.
  • GRISHAM ,John. O advogado. Trad. de Aulyde Soares Rodrigues. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.
  • JAKOBS, Günther; MELIÁ, Manuel Cancio. Direito Penal do inimigo: noções e críticas. org. e trad. André Luís Callegari, Nereu José Giacomolli. 2. ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.
  • JUNIOR, Heitor Piedade et al. Vitimologia em debate II. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 1997.
  • JUNIOR, Heitor Piedade. Vitimologia: evolução no tempo e no espaço. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 1993.
  • KALIL, Gloria. Alô, Chics ! - Etiqueta Contemporânea. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007.
  • KARAM. Maria Lúcia. Juizados Especiais Criminais: a concretização antecipada do poder de punir. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2004.
  • KHADY. Mutilada. Khady com a colaboração de Marie-Thérère Cuny. Trad. de Rejane Janowitzer. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.
  • KONZEN, Afonso Armando. Justiça Restaurativa e Ato Infracional: Desvelando Sentidos no Itinerário da Alteridade. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.
  • KOSOVSKI, Ester (org.); JUNIOR, Heitor Piedade (org.).Vitimologia e direitos humanos.Rio de Janeiro:Reproart,2005
  • KOSOVSKI, Ester: PIEDADE JR, Heitor (org.). Temas de Vitimologia II. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2001.
  • KOSOVSKI, Ester; SÉGUIN, Elida (coord.). Temas de Vitimologia. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2000
  • LOPES JÚNIOR, Aury. Direito Processual Penal. 10. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.
  • MARTIN, Luís Gracia. O Horizonte do Finalismo e o Direito Penal do Inimigo. Trad. Érika Mendes de Carvalho e Luiz Regis Prado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • MAZZILLI NETO, Ranieri. Os caminhos do Sistema Penal. Rio de Janeiro: Revan, 2007.
  • MAÍLLO. Alfonso Serrano. Introdução à Criminologia. Trad. Luiz Regis Prado. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • MELOSSI, Dario; PAVARINI, Massimo. Cárcere e fábrica: as origens do sistema penitenciário (séculos XVI - XIX). Trad. Sérgio Lamarão. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2006. (Pensamento criminológico; v. 11).
  • MENDRONI, Marcelo Batlouni. Crime de lavagem de dinheiro. São Paulo: Atlas, 2006.
  • MENDRONI, Marcelo Batlouni. Crime Organizado - Aspectos Gerais e Mecanismos Legais. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2007.
  • MEROLLI, Guilherme. Fundamentos Críticos de Direito Penal - Curso Ministrado na Cadeira de Direito Penal I da UFSC. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.
  • MESTIERI, Jõao. Manual de Direito Penal. 1. ed., 2. tiragem. Rio de Janeiro: Forense, 2002. v. I.
  • MOLINA, Antonio Garcia-Pablos de; GOMES, Luiz Flávio. Criminologia. Org. Rogério Sanches Cunha. 6. ed. ref., atual e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • MULLER, Jean Marie. Não-violência na educação. Trad. de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Atenas, 2006.
  • NEPOMOCENO, Alessandro. Além da Lei - a face obscura da sentença penal. Rio de Janeiro: Revan, 2004.
  • NEVES, Eduardo Viana Portela. Criminologia para concursos públicos. Salvador: Juspodivm, 2013.
  • NUCCI, Guilherme de Souza. Código de Processo Penal Comentado. 7. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • NUCCI, Guilherme de Souza. Código Penal Comentado. 8. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • NUCCI, Guilherme de Souza. Leis Penais e Processuais Penais Comentadas. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • NUCCI, Guilherme de Souza; NUCCI, Naila Cristina Ferreira. Prática Forense Penal. 3. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • OLIVEIRA, Ana Sofia Schmidt de. A Vítima e o Direito Penal: uma abordagem do movimento vitimológico e de seu impacto no direito penal. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1999.
  • OLMO, Rosa. A América Latina e sua criminologia. Rio de Janeiro: ICC/Revan, 2004. Coleção Pensamento Criminológico n. 9.
  • PACELLI, Eugênio. Curso de Processo Penal. 16 ed. São Paulo: Atlas, 2012.
  • PASUKANIS, Eugeny Bronislanovich. A teoria geral do direito e o marxismo. trad., apres. e notas por Paulo Bessa. Rio de Janeiro: Renovar, 1989.
  • PEASE, Allan; PEASE, Barbara. Como conquistar as pessoas. Trad. de Márcia Oliveira. Rio de Janeiro: Sextante, 2006.
  • PEASE, Allan; PEASE, Barbara. Desvendando os segredos da linguagem corporal. Trad. Pedro Jorgensen Junior. Rio de Janeiro: Sextante, 2005.
  • POLITO, Reinaldo. Oratória para advogados e estudantes de Direito. São Paulo: Saraiva, 2008.
  • POLITO, Reinaldo. Oratória para advogados e estudantes de Direito. São Paulo: Saraiva, 2008.
  • POLITO, Reinaldo. Superdicas para falar bem: em conversas e apresentações. São Paulo: Saraiva, 2005.
  • PORTO, Roberto. Crime Organizado e Sistema Prisional. São Paulo: Atlas, 2007.
  • PRADO, Luiz Regis. Bem Jurídico-Penal e Constituição. 3. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2003.
  • PRADO, Luiz Regis. Comentários ao Código Penal. 4. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • Revista Visão Jurídica - Editora Escala (www.escala.com.br)
  • RODRIGUES, Anabela Miranda. A posição jurídica do recluso na execução da pena privativa de liberdade. São Paulo: IBCCRIM, 1999 (Monografias / IBCCRIM; 11)
  • ROSA, Alexandre Morais da. Garantismo Jurídico e Controle de Constitucionalidade Material. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.
  • ROSA, Alexandre Morais da. Introdução Crítica ao Ato Infracional - Princípios e Garantias Constitucionais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • ROSA, Alexandre Morais da. Para um Processo Penal Democrático: Crítica à Metástase do Sistema de Controle Social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2008.
  • ROVINSKI, Sonia Liane Reichert. Dano Psíquico em Mulheres Vítima de Violência. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2004.
  • RUSCHE, Georg; KIRCHHEIMER, Otto. Punição e Estrutura Social. 2. ed. Trad. Gizlene Neder. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2004. (Pensamento criminológico; 3)
  • SABADELL, Ana Lucia; DIMOULIS, Dimitri; MINHOTO, Laurino Dias. Direito Social, Regulação Econômica e Crise do Estado. Rio de Janeiro: Revan, 2006.
  • SABADELL, Ana Lúcia. Manual de Sociologia Jurídica: Introdução a uma Leitura Externa do Direito. 4. ed. rev., atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • SABADELL, Ana Lúcia. Tormenta juris permissione: Tortura e Processo Penal na Península Ibérica (séculos XVI-XVIII). Rio de Janeiro: ICC/Revan, 2006. Coleção Pensamento Criminológico n. 13.
  • SALIBA, Marcelo Gonçalves. Justiça Restaurativa e Paradigma Punitivo. Curitiba: Juruá, 2009.
  • SANCTIS, Fausto Martin de. Combate à Lavagem de Dinheiro. Teoria e Prática. Campinas/SP: Millennium, 2008.
  • SANTANA, Selma Pereira de. Justiça Restaurativa: A Reparação como Conseqüência Jurídico-Penal Autônoma do Delito. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2010.
  • SANTOS, Juarez Cirino dos. A Criminologia Radical. 2. ed. Curitiba: Lumen Juris/ICPC, 2006.
  • SANTOS, Juarez Cirino dos. Direito Penal: parte geral. Curitiba: Lumen Juris/ICPC, 2006
  • SCURO NETO, Pedro. Sociologia Geral e Jurídica : introdução à lógica jurídica, instituições do Direito, evolução e controle social. 6. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.
  • SEBOLD, Alice. Sorte. Trad. Fernanda Abreu. Rio de Janeiro: Ediouro, 2003.
  • SHECAIRA, Sérgio Salomão. Criminologia. 2. ed. rev. atual. e ampl. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • SHECAIRA, Sérgio Salomão. Sistema de Garantias e o Direito Penal Juvenil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2008.
  • SICA, Leonardo. Justiça Restaurativa e Mediação Penal - O Novo Modelo de Justiça Criminal e de Gestão do Crime. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2007.
  • SLAKMON, Catherine; MACHADO, Maíra Rocha; BOTTINI, Pierpaolo Cruz (Orgs.). Novas direções na governança da justiça e da segurança. Brasília-DF: Ministério da Justiça, 2006.
  • SLAKMON, Catherine; VITTO, Renato Campos Pinto De; PINTO, Renato Sócrates Gomes (org.). Justiça Restaurativa: Coletânea de artigos. Brasília: Ministério da Justiça e PNUD, 2005.
  • SOARES, Orlando. Sexologia Forense. Rio de Janeiro: Freitas Bastas, 1990.
  • SOUZA, José Guilherme de. Vitimologia e violência nos crimes sexuais: uma abordagem interdisciplinar. Porto Alegre: Safe, 1998
  • SOUZA, Paulo Sérgio Xavier de. Individualização da Pena no Estado Democrático de Direito. Porto Alegre: Sergio Antonio Fabris, 2006.
  • SPOSATO, Karyna Batista. O Direito Penal Juvenil. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2006.
  • SQUARISI, Dad; SALVADOR, Arlete. Escrever Melhor — Guia para passar os textos a limpo. São Paulo: Contexto, 2008.
  • SUMARIVA, Paulo. Criminologia - Teoria e Prática. Niterói: Impetus, 2013.
  • SÁ, Alvino Augusto de. Criminologia Clínica e Psicologia Criminal. prefácio Carlos Vico Manãs. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007.
  • TASSE, Adel El. Criminologia. São Paulo: Saraiva, 2013. Col. Saberes do Direito, v. 58.
  • TELES, Maria Amelia de Almeida. O que são Direitos Humanos das Mulheres. São Paulo: Brasiliense, 2006.
  • TELES, Maria Amélia de Almeida; MELO, Mônica de. O que é violência contra a mulher. São Paulo: Brasiliense, 2003. (Coleção primeiros passos; 314)
  • TOURINHO, José Lafaieti Barbosa. Crime de Quadrilha ou Bando de Associações Criminosas. 2. ed., rev. e atual. Curitiba: Juruá, 2008.
  • VASCONCELOS, Carlos Eduardo de. Mediação de conflitos e práticas restaurativas. São Paulo: Método, 2008.
  • VERARDO, Maria Tereza. Sexualidade violentada: as marcas de uma tentativa de destruição. São Paulo: O Nome da Rosa, 2000.
  • VEZZULLA, Juan Carlos. A Mediação de Conflitos com Adolescentes Autores de Ato Infracional. Florianópolis: Habitus, 2006.
  • VIANNA, Túlio Lima. Transparência pública, opacidade privada: o direito como instrumento de limitação do poder na sociedade de controle. Rio de Janeiro: Revan, 2007.
  • VIGARELLO, Georges. História do Estupro: violência sexual nos séculos XVI-XX. Trad. Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.
  • VILHENA, Leonardo da Silva. A Preclusão para o Juiz no Processo Penal. Curitiba: Juruá, 2007.
  • WACQUANT, Loic. As duas faces do gueto. Trad. Paulo C. Castanheira. São Paulo: Boitempo, 2008.
  • WACQUANT, Loic. As Prisões da Miséria. São Paulo: Jorge Zahar, 2001.
  • WACQUANT, Loic. Punir os Pobres: a nova gestão de miséria nos Estados Unidos. Trad. Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: F. Bastos, 2001; Revan, 2003. (Pensamento criminológico; 6)
  • WUNDERLICH, Alexandre; CARVALHO, Salo (org.). Novos Diálogos sobre os Juizados Especiais Criminais. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2005.
  • WUNDERLICH, Alexandre; CARVALHO, Salo de. Dialogos sobre a Justiça Dialogal: Teses e Antiteses do Processo de Informalização. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2002.
  • YOUNG, Jack. A sociedade excludente: exclusão social, criminalidade e diferença na modernidade recente. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Revan/ICC, 2002. (Pensamento criminológica; 7)
  • ZAFFARONI, Eugenio Raul. Inimigo no Direito Penal. Rio de Janeiro: Revan, 2007. Coleção Pensamento Criminológico n. 14.
  • ZAFFARONI, Eugenio Raul. Manual de Direito Penal Brasileiro: Parte Especial. 2. Ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007. Vol. 2.
  • ZAFFARONI, Eugenio Raul; PIERANGELI, José Henrique. Manual de Direito Penal Brasileiro: Parte geral. 7. ed. rev. e atual. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2007. Vol. 1.
  • ZEHR, Howard. Trocando as lentes: um novo foco sobre o crime e a justiça. Tradução de Tônia Van Acker. São Paulo: Palas Athena, 2008.